Duas Opnioes a respeito de Dilma e Serra…

Pessoal: Resolvi publicar duas opinioes de pessoas das quais eu tenho muita consideraçao e admiraçao. Tenho minha opniao formada a respeito dessa eleiçao, mantenho minha ideologia politica desde que votei pela primeira vez e continuo acreditando que é possivel viver num pais onde a igualdade social e disptribuiçao de renda possam ser um dia mais humana e menos capitalista. Segue abaixo os dois textos e que cada um de nós possa refletir e decidir nosso futuro pelos proximos 4 anos! Viva democracia! Viva a liberdade de expressao!!

O caluniador, figura da barbárie

Juarez Guimarães 15 de outubro de 2010 às 16:00h
De todas as eleições presidenciais realizadas após a redemocratização, esta é certamente aquela que a calúnia cumpre um papel mais central na definição do voto. Ela foi utilizada em um momento decisivo por Collor contra Lula, compareceu sempre todas as vezes nas quais Lula foi candidato mas agora ela mudou de intensidade e abrangência, tornou-se multiforme e onipresente. A calúnia foi ao centro da nossa vida democrática. A senhora ao lado no ônibus me diz que recebeu a informação que Dilma desafiou Jesus Cristo em um comício realizado na Praça da Estação, em Belo Horizonte. O motorista de táxi conta que um médico lhe assegurou que um outro médico, seu amigo, diagnosticou gonorréia em Dilma. Um e-mail recebido traz documento do TSE impugnando a candidatura de Dilma por ter “ficha suja”. Um aluno me diz ter recebido carta em casa da Regional 1 da CNBB, contendo mensagem para não votar em Dilma por ser contra a vida. Um comerciante na papelaria me diz que “não vota em bandida”. Após divulgar o resultado da primeira pesquisa Sensus/CNT para o segundo turno, o sociólogo Ricardo Guedes, afirmou que “nessa eleição, principalmente no final do primeiro turno, temos um fenômeno sociológico de natureza cultural de desconstrução de imagem. O processo de difamação, até certo ponto, pegou.” Quem conhece alguém que não recebeu uma calúnia contra Dilma ? Houve uma mudança nos meios: a internet permite o anonimato e a profusão da calúnia. A Igreja brasileira, sob a pressão de mais de duas décadas de Ratzinger, tornou-se mais conservadora na sua cúpula e mobiliza hoje uma mensagem de ultra-direita, como não se via desde 1964. A mídia empresarial brasileira, já se sabia, vinha trilhando o seu caminho de partidarização e difamação pública, no qual até o direito de resposta tornou-se um crime contra a liberdade de expressão. Mas tudo isso não havia encontrado ainda o seu ponto de fusão: agora, sim. O que está ocorrendo aos nossos olhos não pode ser banalizado. O caluniador é uma figura da barbárie, o sinistro que mobiliza o submundo dos preconceitos, dos ódios e dos fanatismos. A calúnia traz a violência para o centro da cena pública, pronunciando a morte pública de uma pessoa, sem direito à defesa. Perante a calúnia não há diálogo, direitos ou tribunais isentos. Na dúvida, contra o “réu”: a suspeição atirada sobre ele, visa torná-lo impotente pois já, de partida, a humanidade lhe foi negada. Mas quem é o caluniador, essa figura de mil caras e rosto nenhum? É preciso dizer alto e bom som, em público, o seu nome, antes que seja tarde: o nome do caluniador é hoje a candidatura José Serra! Friso a candidatura porque não quero exatamente negar a humanidade de quem calunia. É o que fez, com a coragem que lhe é própria, a companheira Dilma Roussef no primeiro debate do segundo turno, apontando o nome de uma caluniadora – a mulher de Serra – e chamando o próprio de o “homem das mil caras”. Dia a dia, de forma crescente e orquestrada, a calúnia foi indo ao centro de sua campanha, de sua mensagem, de sua fala, de sua identidade proclamada, de seus aliados midiáticos, de parceiros fanáticos (TFP) ou escabrosos (nazistas de Brasília), de sua estratégia eleitoral e de seu cálculo. “Homem do bem” contra a “candidata do mal”? Homem de uma “palavra só” contra a “mulher de duas caras”? Político “ficha limpa” contra a “candidata ficha suja”? Protetor dos fetos e dos ofendidos (como mostra a imagem na TV) contra aquela que “assassina criancinhas”, como disse publicamente sua mulher? Homem público contra a “mulher das sombras”? O que está se passando mesmo aqui e agora na jovem democracia brasileira? Que arco é este que vai da TFP a Caetano Veloso, quem , quase em uníssomo ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, chamou o presidente Lula de analfabeto e ignorante já no início deste ano? Afinal, que cruzada é esta e qual a sua força ? O que está ocorrendo aqui e agora é uma aliança dirigida por um liberal conservador com o fanático religioso e com o proto-fascista. Cada uma dessas figuras – que sustentam o lugar comum da calúnia – precisa ser entendida em sua própria identidade e voz. A democracia brasileira ainda é o lugar da razão, do sentimento e da dignidade do público: por isso, defender a candidatura Dilma Roussef é hoje assumir a causa que não pode ser perdida. Liberalismo conservador: o criador e sua criatura – Nunca como agora em que esconde ou quase não mostra a imagem de Fernando Henrique Cardoso, Serra foi tão criatura de seu mestre intelectual. É dele que vem o discurso e a narrativa que, ao mesmo tempo, dá a senha e liga toda a cruzada da direita brasileira. A noção de que o PT e seu governo ameaçam a liberdade dos brasileiros pois instrumentalizam o Estado, fazem reviver a “República sindical”, formam gangues de corrupção e ameaçam a liberdade de expressão não deixa de ser uma evocação da vertente lacerdista da velha UDN. Mas certamente não é uma doutrina local. A cartilha do liberal-conservador Fernando Henrique Cardoso é um autor chamado Isaiah Berlin, autor de um famoso ensaio “Dois conceitos de liberdade” e do livro “A traição da liberdade. Seis inimigos da liberdade humana”. Neste ensaio e neste livro, define-se a liberdade como “liberdade negativa”, isto é aquele espaço que não é regulado pelas leis ou pelo Estado contraposto à noção de “liberdade positiva”. Quanto menos Estado, mais liberdade; quanto mais Estado, menos liberdade. Ao confundir liberdade com autonomia, ao vincular liberdade aos ideais de justiça ou de interesse comum, republicanos, sociais-democratas, liberais cívicos e, é claro, socialistas, trairiam a própria idéia de liberdade. É por este conceito e seus desdobramentos que Fernando Henrique mobiliza o clamor midiático contra o PT e o governo Lula. É este conceito que estrutura também o discurso de Serra, que acusa o governo Lula de ser proto-totalitário. É evidente que o conceito não é passado de forma iluminista: a mídia brasileira tornou-se uma verdadeira artista na criação das mediações de opinião, imagem e notícia que se centralizam, em última instância, neste conceito. Daí ele dialoga com o senso comum. Seja dito em favor de Fernando Henrique Cardoso: é o lado mais sombrio de seu liberalismo que vem à tona agora, na cena agônica, quando o candidato que representa a sua herança ameaça perder pela última vez. Pois este liberalismo sempre foi de viés cosmopolita, atento em seu diálogo com os democratas norte-americanos e aos “filósofos da Terceira Via”, a certos direitos inscritos na pauta, como aqueles da liberdade sexual, do direito ao aborto legal, dos gays, dos negros, da vida cultural. Mas agora para fazer a ponte com o fanatismo religioso, ele resolveu descer aos infernos: nada sobrou de progressista na candidatura Serra, das ameaças à Bolívia à moral sexual de Ratzinger? O liberal conservador não é o fanático religioso nem o proto-fascista, aquele que julga que a melhor maneira de dissuadir o adversário é simplesmente eliminá-lo. Mas dialoga com eles na causa comum de derrotar os “proto-totalitários” de esquerda”. Como disse bem, Jean Fabien Spitz, autor de “ O conceito de liberdade”, os ensaios de Berlin trazem o sentido e a tonalidade da época da “guerra fria”. O fanático religioso: os frutos de Ratzinger – Se a social-democracia, o republicanismo e o socialismo são os inimigos de Berlin, a Modernidade em um sentido amplo é o inimigo central do ex-cardeal Ratzinger. O programa político- teológico que veio construindo a ferro e fogo nestas últimas três décadas é centrado na idéia que é preciso restaurar a dogmática da fé contra os efeitos dissolutivos da moral emancipadora, da racionalização científica e da secularização. Este discurso político, que se fecha no fundamentalismo religioso, como bem denunciou Leonardo Boff, é, na verdade, um discurso de poder, de recentramento do poder do Vaticano. Neste programa, não é apenas a esquerda enquanto topografia política que é o inimigo mas principalmente o processo de emancipação das mulheres. Entre a “Eva pecadora” e a “Maria mãe de Deus” não há outra identidade possível às mulheres. A dimensão fundamentalista desde discurso não reconhece o direito do pluralismo na política, nem mesmo na linha do “consenso sobreposto” proposto por John Rawls ( a possibilidade de convergências sobre direitos, partido de um pluralismo de fundamentos). Ou se concorda ou se é proscrito, ex-comungado ou desqualificado. É essa idéia força, que veio ganhando terreno na hierarquia do clero brasileiro a partir das perseguições à Teologia da Libertação, que agora irrompe na política brasileira, difamando Dilma Roussef. A calúnia é conveniente ao fundamentalista religioso: nesta visão de mundo, não há luz e sombra, não há e não pode haver semi-tons: quando Serra proclamou que o “direito ao aborto no Brasil seria uma carnificina”, ele estava dando a senha para a campanha difamatória da direita católica e evangélica. O proto-fascista e seus privilégios – Todo processo político e social de democratização e de inclusão tão amplo como o que está se vivendo no Brasil provoca reações de resistência e regressão política à sua volta. Mas este também não é um fenômeno apenas brasileiro: observa-se à volta de nós fenômenos e operações muito típicas daquelas que estão sendo promovidas pela direita republicana norte-americana contra Obama ou que percorrem quase todo o continente europeu em torno ao tema dos imigrantes. O proto-fascista brasileira não veste camisa preta nem usa suástica no braço ( embora, é claro, ninguém duvide, redes simbolicamente ostensivas estão em ação), nem precisa ser sociologicamente configurado como “lumpen proletariado” ou “pequeno burguesia vacilante”, para lembrar as figuras de uma linguagem simplificadora. O proto-fascista brasileiro é aquele que não quer receber em sua casa comum – a democracia brasileira – estes que não que reconhecem mais o seu antigo lugar, os pobres e os negros. Há uma violência inaudita no ato do jornal liberal “O Estado de São Paulo” em punir com a demissão Maria Rita Kehl, por escrever um artigo em prol da dignidade dos pobres. Esta violência, que está muito distante do proclamado pluralismo mesmo restrito de alguns liberais, cheira a proto-fascismo, este ato que pretende abolir as razões públicas dos pobres simplesmente negando dignidade a eles. A força da liberdade que hoje mora no coração dos brasileiros, os braços abertos do Cristo Redentor e o que há de imaginação e magnífica pulsão de vida na cultura popular dos brasileiros são os verdadeiros antídotos contra as figuras do ódio do caluniador.Por detrás da sua máscara, o povo brasileiro há de reconhecer os centenários adversários de seus direitos. Diante do caluniador, somos todos hoje Dilma Roussef! ____________________________________________________________________________________________ Mudança é a lei da vida. E aqueles que olham apenas para o passado ou presente estão certos de perder o futuro.” John F. Kennedy Querida(o) Amiga(o), Eu vou votar no Serra. Dilma NÃO, NÃO e NÃO!!! Quando lula & Dilma vão na televisão para falar que as privatizações feitas no governo do Fernando Henrique Cardoso foram ruins para o Brasil, eu prefiro ser do contra. As privatizações, iniciadas no governo do Collor e aceleradas nos anos FHC, são um dos capítulos mais importantes da história do Brasil. Foram vendidas 120 empresas, arrecadando 106 bilhões de dólares, dinheiro que contribuiu para a redução da dívida pública e o reequilibro fiscal do governo. O lula pagou a dívida externa com o dinheiro levantado pelo FHC!!! As estatais eram só prejuízos, e por isso tinham que ser bancadas com dinheiro público, bancado pelos impostos que eu e você pagamos todos os dias. A GRANDE VERDADE é que nunca na história desse país um cara (lula) assumiu descaradamente a responsabilidade de tanta coisa boa que outros fizeram. O lula e o PT votaram contra o Plano Real que estabilizou o país. Você está aí hoje sentado no conforto da sua casa com dinheiro no banco porque o Plano Real aconteceu. lula votou contra! A dilma pode falar o contrário na propaganda na televisão, mas a GRANDE VERDADE é que o lula pegou tudo pronto, e por motivos de fanatismo partidário, não reconhece a herança que herdou. Em Julho de 1994, a inflação acumulada no ano estava em 5,000%. Quem acabou com a inflação foi FHC e não lula ou o PT. Isso é a História. O resto é propaganda e manipulação. Em 1998, antes da privatização da Telebrás, o número de pessoas com telefone no Brasil era de 30 milhões de pessoas. Se você tem mais de 30 anos, você deve se lembrar da dificuldade que existia no Brasil para conseguir uma linha telefônica. Hoje, 247 milhões de pessoas tem telefone fixo, celular, banda larga e TV por assinatura. Em doze anos, foram investidos 180 milhões de reais, e o recolhimento de impostos cresceu 435%. Além disso, o setor emprega hoje 403 mil pessoas, o dobro de vagas públicas e ineficientes que havia dez anos atrás. Quando lula, o messiânico, aperta a mão do mahmoud ahmadinejad, hugo chavez e fidel castro botando banca de pacificador do mundo, eu prefiro ser do contra. lula – o messiânico -, está se achando o rei do mundo; e para provar que tem um coração de divindade, sai pelo mundo afora apertando a mão de uns figuraças como o ahmadinejad – presidente do Irã -, que afirma que o Holocausto dos Judeus não existiu; fidel castro – que mantêm milhares de presos políticos em pleno Século 21; hugo chavez – o mais novo doidão da América Latina. Quando lula & Dilma apelam para o bolsa família e outros programas sociais para dizer que mudaram o Brasil para sempre, eu prefiro ser do contra. A grande verdade é que o governo lula não melhorou o Brasil em absolutamente nada quando você analisa métricas decentes de crescimento e cidadania. Com a carga tributária mais nefasta do planeta, a pior regulação de um governo sobre a economia, uma das piores taxas de corrupção e de desperdício de dinheiro público do mundo, além de um dos maiores spreads bancários, o Brasil caiu duas posições no ranking das economias mais competitivas elaborado pelo Fórum Econômico Mundial sobre o desempenho das principais economias do mundo em 2009. O Brasil foi da 56.ª posição para a 58.ª. Criado pela ONU, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é uma medida comparativa que engloba três dimensões: riqueza, educação e expectativa de vida ao nascer. É uma maneira padronizada de avaliação e medida do bem-estar de uma população. O índice foi desenvolvido em 1990 pelos economistas Amartya Sen e Mahbub ul Haq, e vem sendo usado desde 1993 pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento no seu relatório anual.Todo ano, os países membros da ONU são classificados de acordo com essas medidas. Na edição de 2009, o IDH avaliou 182 países. O Brasil aparece em 75o lugar. Em termos de educação, o Brasil ficou em 88o lugar no ranking mundial de educação em 2010, estudo elaborado pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Professores da UnB apontam que algumas causas para o país estar entre os retardatários na corrida pela educação são: crescimento acelerado do número de vagas ofertadas nas escolas do país, sem que houvesse expansão da infraestrutura de ensino e do número de professores; baixa formação dos docentes; e demora para dar prioridade à área. Sem dúvida temos crédito “fácil” para a população comprar televisão, geladeira, coca-cola, bolacha recheada, comprar carro zero em 60 vezes etc, o Brasil lidera o ranking mundial em vendas de computadores e celulares; entretanto, ninguém se sente absolutamente seguro em sair de casa a noite para dar uma volta no quarteirão da rua em que mora sem medo de ser assaltado. Quando eu vejo a propaganda da dilma & lula na televisão mostrando o povo sorrindo, cantando nas ruas, empregado, feliz, como se tudo estivesse as mil maravilhas, eu prefiro ser do contra. Sabe qual é a pior coisa que pode acontecer a uma empresa sem planejamento estratégico, programas sérios de inovação, índices de performance, ou programa de educação para funcionários? Bater as metas de vendas. Quando uma empresa bate a meta de vendas, a sujeira é chutada para debaixo do tapete, ninguém fala nada sobre os reais problemas que a empresa está enfrentando, todos são obrigados a aceitar o fato de que afinal, as coisas estão dando certo. É exatamente isso que está acontecendo com o Brasil. Nós estamos batendo metas (criados pelo governo), conseguimos a Copa do Mundo, Olimpíadas, somos a bola da vez, blá blá blá, entretanto, somos um país onde não existe educação decente (e nenhum projeto para mudar isso); somos um país onde 50 mil pessoas são assassinadas a bala todo ano (e não temos nenhum projeto do governo para mudar isso), nenhuma cidade do Brasil, incluindo São Paulo, tem 100% saneamento básico (e não existe nenhum projeto do governo para mudar isso), somos um país recordista em ações trabalhistas (e não temos nenhum projeto para atualizar as leis trabalhistas e as relações empregados e empregadores), mas, segundo o lula, “Nunca na história desse país houve um governo como o governo do lula”. Que mediocridade! Quando lula & dilma dizem que o sarney, a frente do congresso nacional, não fez picaretagem nenhuma alguns meses atrás, e não merece ser retirado do cargo, eu prefiro ser do contra. Você se lembra que alguns meses atrás você mesmo defendeu a saída do sarney do Congresso Nacional por suspeitas de corrupção?? Você se lembra que você mesmo colocou o sarney no trending topics do Twitter!! Lembra?? Então, o lula saiu as ruas dizendo que o sarney não fez nada, e nada foi feito com o sarney. E agora você vai votar na continuidade de tudo isso? A turma do lula tem um projeto de partido, e não um projeto de país. Se tiver que beijar o capeta para se manter no poder, eles vão beijar o capeta. Se o presidente do Irã trouxer votos, eles vão se ajoelhar para o cara. Nunca na história desse país um banco lucrou tanto quanto agora. No governo do Sarney, o Itaú lucrou 340 milhões de reais, no governo do Collor o Itaú lucrou 390 milhões, no governo do FHC o Itaú lucrou 410 milhões, e agora, no governo do lula, o Itaú lucrou 6 bilhões de reais apenas em 2010!!! De um lado, Lula distribui migalhas para o povo através do Bolsa Família; do outro, lula oferece um sistema bancário com os juros mais altos do mundo. Grande lula, você sabe como ninguém como criar gado para levar para o matadouro. Depois da presidência, você deveria pedir emprego na Friboi. Por que eu vou votar no Serra? Porque a Dilma vai dar continuidade a tudo que está rolando. Entenda-se corrupção e mediocridade. Mensalão, Cargos Partidários na Petrobrás, Eurenice e tantos outros escândalos que já apareceram na mídia e não deram em nada vão continuar. Programas populistas que procuram agradar a todos para acabar com qualquer tipo de oposição e com “a turma do contra” também vão continuar. Eu não acredito que as coisas estão boas, nem perto disso. Por isso, eu quero mudanças. Eu li o programa inteiro da Dilma, e não vi qualquer sinal de mudanças, por isso quero outro cara no poder. A Dilma em si não me parece ser uma pessoa ruim. Acusá-la de terrorista, por exemplo, não tem nada a ver. Se terrorista significa lutar contra a ditadura militar e o AI-5, então eu também quero ser chamado de terrorista. Ela e o Serra lutaram contra a ditadura militar, e merecem todo o nosso respeito e reconhecimento. Então, por que Serra? Porque oito anos é mais do que o suficiente para um partido liderar o governo. É preciso haver uma alternância no comando do país para evitar que um partido tome conta de tudo. Se Dilma ganhar, lula & sua turma vão se achar donos do universo, vão continuar empregando todos os seus partidários em cargos públicos, vão continuar a distribuir migalhas para o povo sem qualquer projeto bacana para o país entrar de vez no Século 21, vão transformar o país em um partido, e vão acabar com qualquer tipo de oposição. O Brasil, historicamente falando, é formado por um povo passivo demais, que não gosta de conflitos, que não levanta a voz em reuniões, que não fala o que pensa. Se a turma do PT se perpetuar no poder, o comportamento do brasileiro irá de passivo para zumbi. Qualquer um que levantar a voz contra o lula, seu partido e amigos, será chamado de “turma do contra”, e convidado a se retirar do país para viver com os imperialistas americanos e outros papos furados típicos da esquerda brasileira. Eu vou votar no Serra. Eu espero que ele possa desmantelar a máquina criada pelo PT na Petrobrás e afins. Eu espero que ele possa terminar o trabalho que começou com o Plano Real. Eu espero que ele possa direcionar o Brasil rumo a um destino grandioso onde os BRASILEIROS ficam com o mérito do sucesso do país, e não um político populista com síndrome de messias. O mundo evolui quando “a turma do contra” tem coragem para dizer o que pensa no meio da multidão. O mundo evolui quando “a turma do contra” levanta a voz para exigir o MELHOR DO MUNDO e não migalhas para calar o povo. O Brasil melhorou nos últimos 8 anos?? Você tem certeza disso? Ou a sua opinião é a soma da opinião de outras pessoas ou da televisão? Pense por si mesmo. Não deixe um político populista e messiânico acabar com a única coisa que te pertence: a sua capacidade de pensar por si mesmo. Eu vou votar no Serra, e recomendo a você pensar seriamente a respeito depois de levar em conta as coisas que melhoraram NA SUA VIDA nesses últimos oito anos, e não na vida dos atores dos comerciais populistas que circulam na propaganda política. Eu quero um país de PRIMEIRO MUNDO, e não uma republiqueta populista. Eu vou votar no Serra! NADA MENOS QUE ISSO INTERESSA! QUEBRA TUDO! Foi para isso que eu vim! E Você? Ricardo Jordão Magalhães Da Turma do Contra E-Mail e Messenger: ricardom@bizrevolution.com.br Twitter twitter.com/bizrevolution Formspringformspring.me/bizrevolution Linkedin http://www.linkedin.com/in/ricardojordao www.bizrevolution.com.br BIZREVOLUTION

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fale com a gente